Clínica Dom Guanella

Semana Internacional da Tireoide – Tema: Tireoide e Gestação

Pessoal, começou ontem, dia 20 de maio, a Semana Internacional da Tireoide. Neste ano, a mobilização segue até o dia 25 de maio com o tema Tireoide e Gestação. É por isso que vamos tratar sobre o assunto no decorrer da semana, desde sua importância até complicações oriundas de disfunções da glândula. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Você sabe por que os hormônios da tireoide têm papel tão essencial na gravidez? Já sabemos que o funcionamento harmônico da glândula tem relação direta com as reações e todos os processos que ocorrem no organismo. Na gravidez, é normal que a mulher tenha uma hiperfunção da glândula, causada pela interação com o beta-HCG, hormônio produzido na gravidez. Desde que essa hiperfunção esteja dentro dos índices considerados aceitáveis, não há problema.

Enquanto alguns médicos defendem levar em consideração apenas gestantes de risco, muitos defendem realizar um rastreamento universal para acompanhar qualquer alteração. Mulheres que engravidam com mais de 30 anos e que têm histórico familiar ou pessoal de doença tireoidiana devem ter ainda mais atenção. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🔸 Afinal, o que é tireoide?

A tireoide é uma glândula que fica na região anterior da base do pescoço. Sua principal função é produzir dois hormônios: o triiodotironina (T3) e a tiroxina (T4), que estimulam o metabolismo em todas as reações que asseguram os processos bioquímicos do organismo. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🔸 A campanha

Segundo o Departamento de Tireoide da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), a campanha tem como objetivo orientar e chamar a atenção da população sobre as principais disfunções tireoidianas, em especial, das gestantes. Diversas ações acontecem em todo o país para orientação e esclarecimento sobre os principais problemas que ocorrem com a glândula durante a gravidez.

Dra Eline Dias Pereira – Endocrinologista

CRM 37.056

Biotina e a função tireoidiana

Consumida como suplementação para melhorar cabelos, pele e unhas, a biotina vem sendo amplamente prescrita por profissionais da saúde.
No entanto, isso pode trazer alterações nos exames da tireoide. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Antes disso, vamos saber o que é biotina: ⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
A biotina é uma vitamina do complexo B, também conhecida como vitamina B7. Ela é hidrossolúvel e produzida no intestino pelas bactérias e por meio da alimentação, relacionada no metabolismo de gorduras, carboidratos e proteínas. A ingestão diária recomendada (IDR) é de 30 a 70 microgramas por dia. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
O que acontece ao tomar suplementos ou polivitamínicos com biotina é justamente o exagero da IDR: as concentrações da substância nos produtos são cerca de 100 vezes maiores. 

Essa concentração excessiva pode interferir em testes de função tireoidiana, inclusive em pessoas com a função da glândula saudável. Na maioria dos casos, há a simulação de hipertireoidismo, com valores de TSH baixos e níveis de T4 livre elevados. No entanto, em alguns casos também pode ocorrer o aumento dos níveis de TSH. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
Sempre consulte seu médico endocrinologista antes de ingerir suplementações no dia a dia. 
Dra. Eline Dias – Endocrinologista – CRM 37.056

Você conhece o papel da PAAF na avaliação dos nódulos da tireoide?

A punção aspirativa com agulha fina (PAAF) é caracterizada por ser um procedimento simples em que se introduz uma agulha muito fina no nódulo de tireoide.

Através da aspiração são retiradas algumas células que serão analisadas no microscópio.

Esse método tem a função de avaliar o quadro, e pode ser feito com ou sem anestesia.

A regional gaúcha da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia – SBEM RS traz informações importantes sobre o preparo, riscos e resultados do procedimentos. Confira: ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀
🔶 Qual o preparo necessário para a realização da PAAF?

A PAAF é um procedimento muito simples, sem necessidade de grande preparo.

Não é necessário jejum e o paciente é liberado para as atividades normais logo após. Em alguns pacientes que estão fazendo uso de anticoagulantes ou de aspirina pode ser necessária a suspensão desses medicamentos alguns dias antes para se evitar sangramento. ⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

🔶 Quais são os riscos da PAAF?

A PAAF é um procedimento muito seguro.

Eventos adversos graves são muito raros. As complicações mais frequentes são dor e desconforto leves no local da punção e hematomas. ⠀⠀⠀⠀

 

Dra. Eline Dias Pereira – Endocrinologista⠀⠀⠀⠀⠀

ENDOCRINOLOGIA

Muito tem-se falado no fantástico mundo da ENDOCRINOLOGIA, mas, afinal, o que vem a ser essa especialidade médica?

Para falar em endocrinologia, temos que começar falando sobre #hormônios. Hormônios são substâncias secretadas por algum órgão (glândula) que causam efeito em outro órgão (ou, por vezes, no mesmo órgão). Um complexo sistema de transportadores levam os hormônios exatamente onde eles devem agir. Quando ocorre algum problema na produção (que pode estar aumentada ou diminuída), no transporte ou na ação dos hormônios, ocorrem as doenças e disfunções tratadas pelo endocrinologista. Muito legal, não?

Dentre as doenças tratadas pelo médico endocrinologista estão o #Diabetes, a #Obesidade, a #Osteoporose, as alterações na #Tireóide, nas #Paratireóides, nas #Adrenais, na #Hipófise e os  distúrbios dos hormônios sexuais masculinos e femininos.

Agende sua consulta com a Endocrinologista Dra Eline Dias Pereira CRM 37.056, para maiores informações.

Nutrição e saúde da tireoide

Os hormônios produzidos pela glândula da tireoide, chamados de T4 e T3, exercem uma papel fundamental na regulação do nosso metabolismo e na produção de energia podendo influenciar no peso corporal, quando em desequilíbrio.

A nutrição possui papel fundamental na produção do hormônio T4, o qual pode estar reduzido por deficiência de zinco e iodo ou até mesmo por excesso de iodo.

Já o hormônio T3 é proveniente da conversão de T4 em T3 (hormônio ativo) e é ele quem exercerá a maior parte das funções relacionadas à tireóide. A deficiência dos minerais selênio e zinco interferem nesta conversão como também a deficiência de ferro, o qual interfere no transporte dos hormônios produzidos pela glândula.

Isto pode explicar os sinais e sintomas muitas vezes observados nos pacientes, mesmo consumindo a dosagem adequada da medicação levotiroxina (Mais comumente conhecido como Puran T4, dentre outros nomes).

Portanto, a medicação é administrada para regular em nosso corpo os níveis de hormônio T4, porém se não tivermos os nutrientes necessários para sua conversão em T3 continuaremos com os sintomas. Isto também acontecerá caso nos falte reservas de ferro, pois o organismo poderá até converter o T4 em T3, mas não terá quem o transporte dentro do corpo.

Outras substâncias como o glúten e o bisfenol A (BPA) também possuem uma grande influência sobre o bom funcionamento da tireóide e o aproveitamento de seus hormônios pelo corpo.

O glúten gera uma maior permeabilidade intestinal, possibilitando o aumento da absorção de toxinas e fragmentos de proteínas mal digeridas. Estes fragmentos proteicos entram na corrente sanguínea gerando a produção de anticorpos que atacam a própria glândula da tireóide, dando início a uma disfunção por doença auto imune.

Já o Bisfenol A (BPA), substância encontrada no plástico, cumulativa em nosso organismo, ocupa os receptores celulares onde o T3 (hormônio ativo) deveria se ligar para exercer suas funções, dando inicio a chamada resistência aos hormônios da tireóide.

 

Veja abaixo como potencializar, através da nutrição, os resultados no tratamento da disfunção da tireóide.

 

  • Evite o consumo excessivo de pães e outros alimentos que contenham centeio, cevada e principalmente trigo.

Dê preferência ao uso da aveia. Esta não possui glúten naturalmente, mas sofre contaminação em seu processo, porém apresenta menor concentração. Caso necessário, existe também a aveia sem glúten.

Outras opções como a semente de girassol, farinha de linhaça, chia, castanhas, polvilho, fécula de batata, farinha de arroz integral, etc também podem ser introduzidas no preparo de bolos, pães e biscoitos em substituição às farinhas tradicionais.

 

  • Consuma alimentos probióticos como iogurte natural integral sem açúcar ou se possível faça seu próprio iogurte em casa utilizando o kefir (bichinho do iogurte).

 

  • Consuma alimentos prebióticos como frutas, legumes, verduras, banana verde ou aveia que possuem muitas fibras.

 

  • Consuma ovos diariamente, pois são fonte de inúmeras vitaminas e minerais além de selênio, zinco e ferro.

 

  • Consuma frequentemente oleaginosas como castanha-do-pará e semente de girassol, ricas em selênio, zinco, dentre outros nutrientes.

 

  • Consuma coração de galinha, carnes em geral, vegetais verde escuro e feijões, ricos em ferro.

 

  • Consuma peixes como congril, sardinha, salmão, peixes em geral, algas, frutos do mar. A alga kombu é a mais rica em iodo e zinco ou a Dulse fica em segundo lugar. A alga Nori é a mais consumida (utilizada no sushi), porém apresenta menor teor destes nutrientes.

 

  • Consuma também alimentos antiinflamatórios e ricos em antioxidantes como frutas, legumes, verduras e a cúrcuma (açafrão).

 

  • Evite o consumi excessivo e cru do grupo das bássicas (repolho, brócolos, rabanete, couve, couve-flor). Possuem substâncias que ocupam os receptores celulares dos hormônios.

 

  • Exponha-se mais ao sol e faça o exame de vitamina D frequentemente, e suplemente esta vitamina, caso tenha deficiência.

 

  • Evite alimentos com adoçante sucralose em sua composição.

 

  • Dê preferência à água não clorada. Se possível, utilize filtro de remoção do cloro.

 

Se você está em tratamento para disfunções na tireoide ou possui sintomas como: Sensibilidade ao frio, cansaço, fadiga, dificuldade de concentração, memória fraca, voz rouca, voz grave, olhos inchados, constipação, queda de cabelo, pele seca, tendência para depressão, oscilação de humor e sensibilidade ao glúten, agente uma consulta com nossa nutricionista e potencialize o funcionamento de sua glândula da tireoide, assim você terá mais disposição, reduzirá os sintomas e ainda terá uma maior facilidade de perder peso.

 

Nutricionista Fernanda Santos – CRN10.283

Alterações na função tireoideana

A tireoide é uma glândula localizada na região anterior e inferior do pescoço. Ela secreta hormônios que ajudam na regulação da função de órgãos importantes como o coração, o cérebro, o fígado e os rins. Ela atua no crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes, na regulação dos ciclos menstruais, na fertilidade, no peso, na memória, na concentração, no humor, no controle emocional e do colesterol.

Diversas condições podem alterar a quantidade de hormônios produzidos e liberados pela tireóide, tanto aumentando quanto diminuindo sua quantidade. Quando há redução dos hormônios tireoideanos é estabelecida uma condição chamada de HIPOTIREOIDISMO, que pode causar sintomas como cansaço, fraqueza, queda de cabelo, constipação e sonolência, assim como pode ser completamente assintomática. A produção aumentada desses hormônios leva ao HIPERTIREOIDISMO, podendo causar palpitação, sudorese, insônia, diarreia e perda de peso. Como diversas outras patologias clínicas podem ter sintomas semelhantes aos decorrentes das disfunções da tireóide, se faz necessária a análise de exames de sangue pelo médico endocrinologista para elucidar a situação.

 

Dra. Eline Dias Pereira – Endocrinologista CRM 37056

 

× Agendar Consulta por WhatsApp